Anahp | Área Restrita

Boa comunicação com a família é fundamental em cuidados paliativos


Estabelecer uma boa comunicação com os familiares dos pacientes em cuidados paliativos é fundamental para que o tratamento ocorra da melhor maneira possível. Quem afirma é a médica Dalva Yukie Matsumoto, coordenadora do Serviço de Cuidados Paliativos do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo e diretora do Instituto Paliar, que esteve no último dia 7 de junho ministrando palestra durante o Café Paliativo Integrativo de Salvador, realizado na Associação Bahiana de Medicina, em Ondina. Esse evento é mensalmente organizado por um hospital ou serviço de saúde, e nesta edição teve como responsável a S.O.S. Vida, pioneira em Home Care na Bahia, que desenvolve um trabalho profissional nessa área atuando desde 2010, com profissionais formados pelo Instituto Paliar.

Falando para uma platéia formada por profissionais do setor de saúde, a palestrante abordou diversos aspectos relacionados ao tema, entre eles o próprio conceito de família, que vem mudando ao longo dos anos. Seguindo ela, as famílias encolheram e algumas delas não são mais consanguíneas. “É importante que a equipe de saúde aprenda a dialogar com esses novos modelos”, ressalta a especialista.

A palestrante disse ainda que em cuidados paliativos todos os profissionais são importantes na relação com a família. Muitas vezes a assistente social tem mais abertura para dialogar com os familiares do que a psicóloga. “Toda a equipe deve ser treinada para desenvolver esse olhar de integração e também a capacidade de acolhimento”.

A médica destacou ainda que tem percebido, no seu dia-a-dia, que a comunicação com a família é fundamental para minimizar os conflitos no curso do tratamento. Segundo ela, o foco deve integrar paciente e família. Esta última, às vezes, é quem mais precisa de apoio, pois não sabe lidar com a situação.
A Dra. Ana Rosa Humia, Coordenadora Médica da Atenção Domiciliar e também do Programa de Cuidados Paliativos da S.O.S. Vida, ressalta o alto nível da palestra, que serviu para integrar o setor, alinhando conceitos e consolidando a cultura de Cuidados Paliativos em Salvador.

Desde 2016 a S.O.S. Vida é filiada à Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP), instituição fundada em 2005 que contribuiu para a regularização profissional do paliativista, bem como da representação da prática paliativa no Brasil.

Os Cuidados Paliativos foram definidos pela Organização Mundial de Saúde em 2002, e reiterada em 2014, como uma forma de assistência que visa melhorar a qualidade de vida de pacientes e familiares que enfrentam doenças potencialmente ameaçadoras para a continuidade da vida.