7 reflexões para inspirar jovens lideranças

Não é por acaso que liderança tornou-se um dos grandes temas de nossa época. Ao mesmo tempo em que evidencia uma problemática generalizada, notada em todos os setores, também indica uma porta de saída para boa parte dos problemas sociais, econômicos e políticos que nos afligem. As novas lideranças têm tudo nas mãos: o bônus de viver na era da informação,  um mundo de oportunidades e ensinamentos para desbravar, os aprendizados gravados por seus antecessores e um forte movimento global que privilegia a ética e o propósito do ser. Mas, diante de tantas vantagens que nós, da antiga geração, não tivemos, esses jovens também podem se sentir desorientados ou desestimulados, às vezes.

Abaixo, listei algumas das reflexões que gosto de dividir com todo jovem que tem como essência e intenção genuína tornar-se um líder de sua geração:

1. Valorizar uma boa formação: o ensino, em todas as suas esferas, é a base de tudo. Não falo simplesmente de dados de currículo, mas de bagagem educacional adquirida e assimilada de um indivíduo. Afinal, por mais que carisma, inteligência emocional e outras habilidades sejam diferenciais, um líder também se impõe pelo conhecimento. Podemos reconhecê-lo quando ele se prova uma autoridade em seu campo de atuação.

2. Aprender a ouvir: essa capacidade tão rara nos dias de hoje tem relação com uma série de sutilezas que não podem faltar a líder algum, como a disposição para captar experiências, a sensibilidade de perceber o que ocorre ao seu redor e a decisão de nunca deixar passar uma oportunidade de aprendizado.

3. Considerar outras visões: desde cedo, ouvimos de nossos pais que devemos respeitar os mais velhos. Na realidade, não há sinal mais preocupante – e irritante – em um aspirante a líder do que a atitude de quem desdenha da competência dos outros, sejam eles mais ou menos experientes. Mais do que respeitar outras opiniões, interessar-se verdadeiramente por elas indica, em primeiro lugar, educação, e ainda maturidade e lucidez.

4. Cuidar de sua essência: olhar para dentro de si, reservar momentos de introspecção, trabalhar a espiritualidade, refletir sobre as possibilidades, ponderar as decisões. Há diversas formas de descrever nossos esforços para a expansão da consciência e o autoconhecimento. Cada um de nós à sua maneira.

5. Estar disposto a dar: assim como um ator que sobe ao palco e assume inteiramente a atitude  de se doar ao público, um líder precisa se colocar em uma posição generosa. A polaridade de quem oferta é um dos traços mais bonitos e admiráveis de uma liderança. Também é um caminho eficiente para o sucesso: quantos mais doamos, mais recebemos.

6. Ser ético: negar as oportunidades de cair em tentação, nos dias atuais, é como andar sobre um pântano vestido de branco e pisando em pedras para não se sujar. Há lama por todos os lados. No entanto, a força da ética se faz presente quando, mesmo diante de uma brecha, o líder se mantém impenetrável, protegido por suas convicções.

7. Respeitar o seu próprio tempo: eu sei perfeitamente o quanto isso é difícil. Talvez seja o aprendizado mais complexo de todos. Um exercício de dor, angústia e renúncia. Saber recusar uma oportunidade quando não se está pronto para ela e aguardar o momento certo de executar as ideias são decisões dramáticas, especialmente para jovens que querem tudo – e o quanto antes.

E você, o que adicionaria à lista dos aprendizados sobre os quais nós, líderes, precisamos refletir?

Posts relacionados

ÁREA DO ASSOCIADO

Rua Cincinato Braga, 37,  3º e 4º andar – Paraíso
São Paulo – SP
CEP 01333-011

  • Copyright © 2018 Anahp. Todos os direitos reservados

X